Login:
Senha:
Pesquisa:
 
 
Empresa Clientes Produtos Links Indexadores Balancetes Notícias Fale Conosco Informações Sobre Instituições Financeiras Parcerias:




 
Novo Governo, Novos Empregos, Nova Previdência, Novos Rumos

No final do governo Temer, o Brasil avançou 16 posições no ranking geral do relatório Doing Business 2019, do Banco Mundial, que classifica 190 países de acordo com a facilidade de fazer negócios. O relatório traz análises quantitativas de leis e regulações que dificultam ou facilitam as atividades de empresas nas economias e classifica os países em diversos tópicos, entre eles a facilidade de abertura de empresas, pagamento de impostos, obtenção de crédito e comércio internacional.

Reforma trabalhista, crédito facilitado e redução do tempo para abrir empresas foram fatores de melhora. No comércio exterior, o país avançou 33 posições, com medidas de baixo custo como o uso de tecnologias digitais.

Essa foi uma excelente notícia para o novo governo que começa precisando buscar parceiros e investidores. A presença de Bolsonaro em Davos (Suiça), teve como um dos objetivos transmitir à comunidade empresarial e financeira a mensagem de que a busca das reformas e do equilíbrio das contas públicas é uma prioridade.

Segundo dados divulgados pelo IBGE, a taxa de desemprego no Brasil fechou o último trimestre do ano passado em 11,6%.

Apesar da melhora, o país encerrou 2018 com o número ainda bem alto de pessoas que ainda não têm emprego, mas que estão em busca de uma oportunidade.

O aumento dos trabalhos informais na economia ao longo do ano elevou a quantidade de pessoas ocupadas no país, movimento que ajudou na queda geral da taxa oficial divulgada pelo IBGE, porém isso não ajuda muito. Desde o final de 2017 que a quantidade de trabalhadores informais supera o número de postos com carteira assinada. Esse movimento, inédito até então na série histórica, acelerou em 2018.

É necessário melhorar o ambiente empresarial, a falta de capacidade de aumentar a geração de empregos formais, com carteira assinada, impacta diretamente na Previdência. O rombo do INSS cresceu 3,2% no ano passado em comparação com 2017, considerado dados corrigidos pela inflação, as despesas da Previdência Social superaram a arrecadação, o buraco da Previdência só vem crescendo ao longo dos anos.

Uma proposta de reforma nas regras de aposentadorias é inadiável, mas é preciso comunicar de forma clara e convincente que as mudanças na Previdência combaterão distorções e privilégios e o ideal que seja ampla e não restrita a somente uma parte da classe trabalhadora.

O combate as fraudes na Previdência, também é fundamental. O secretário de Previdência do Ministério da Economia, Rogério Marinho, disse em comunicado que o governo está ajustando os últimos pontos da Medida Provisória (MP) que tentará combater fraudes no sistema previdenciário. Havendo indício de irregularidade ou erros materiais na concessão, na manutenção, ou na revisão do benefício, o INSS notificará o beneficiário, ou seu representante legal ou seu procurador, para a apresentação da defesa, provas ou documentos de que dispuser, no prazo de 10 (dez) dias, diz o texto da MP.

O Brasil não precisa acalmar os ânimos para voltar a crescer, o Brasil precisa voltar a crescer e se desenvolver para o país se tranquilizar e seguir em frente.